Kety Louzeiro - Chef do Santo Cerrado Risoteria

Emeric Kalil –  17 de Agosto de 2021

Mulher Preta na Cozinha Italiana

O cenário econômico nesse momento de pandemia gerou impacto severo no mercado de trabalho brasileiro, mas para as mulheres a dor é ainda maior. Dados estatísticos comprovam que elas ocupam em média 46% das posições de trabalho. Se nos aprofundarmos, afim de obter os números relacionados as mulheres pretas, teremos uma visão desagradável do cenário.

A desigualdade de gênero é uma chaga social, que em nosso país se torna gritante, em virtude da cultura conservadora e ausência do poder público na educação profissional.

Mulher preta, duas vezes graduada em gastronomia, tatuada e brasiliense, Kety Louzeiro, 26, sabe bem como é essa realidade.

Katy começou sua trajetória na gastronomia ainda muito jovem e para se tornar a profissional que é agora, investiu anos de seu tempo. Após concluir seu caminho na faculdade, ingressou no mercado de trabalho em Brasília e ali teve o primeiro vislumbre do quão nosso país é injusto com as mulheres pretas.

“Participei de muitos processos seletivos, onde o fato deu ser negra, usar cabelo black, ter tatuagem e alargadores na orelha causou desqualificação. A maioria das vezes escolhiam pessoas com menor qualificação que a minha, pura e simplesmente por discriminação.” Kety Louzeiro

A profissional decidiu seguir em frente e em 2015 mudou-se para a Chapada, junto com seu companheiro Felipe, Condutor Certificado do Parque Nacional Chapada dos Veadeiros. A gastrônoma tinha destino certo, a Vila de São Jorge, coração da Chapada e portal do Parque. Decidida, chegou já buscando oportunidades em sua área de formação e foi contratada pela Casa das Flores, uma hospedagem com gastronomia da vila.

Kety tinha um objetivo definido, ela queria trabalhar no Santo Cerrado, restaurante italiano, com cardápio inspirado na culinária regionalista.

“Trabalhei por 3 meses na Casa das Flores, esperando uma oportunidade no Santo. Quando soube que estavam contratando, ingressei no processo seletivo e por ausência de vagas na cozinha, iniciei como garçonete no Santo Cerrado.” Kety Louzeiro

O Santo Cerrado é querido dos turistas da Chapada dos Veadeiros. O restaurante desenvolveu um cardápio de risotos e apostou no regionalismo, se tornando genuíno e bem avaliado.

“Foi uma espera de uns 6 meses, até eu me tornar auxiliar de cozinha e começar a viver o propósito que escolhi para minha vida.” Kety Louzeiro

Kety é dona de um astral e perseverança raros de se ver. Uma mulher que nem por um instante desviou-se de seu propósito profissional e identidade. Consciente de sua condição e com uma inteligência emocional invejável, ela construiu uma história que já dura 6 anos.

“Quero me consolidar cada vez mais no Santo Cerrado, desenvolver minha visão de gastronomia e quem sabe abrir um negócio próprio um dia.” Kety Louzeiro

Inexiste romantismo quando o assunto é condição da mulher brasileira. É correto dizer que esse país ainda levará séculos para reparar historicamente todos os males que elas sofreram e sofrem.

“Nunca desista de seus sonhos, você nasceu para brilhar e por isso siga em frente de cabeça erguida.” Kety Louzeiro

Kety Louzeiro, uma das grandes mulheres da Vila de São Jorge é Gente que Faz!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Emeric Kalil

Emeric Kalil

Comunicador | Ambientalista | Humanista

WhatsApp chat